Balão científico da Nasa bate o recorde de voo mais longo

O Super-Tiger, balão científico da Nasa (Agência Espacial Norte-Americana), bateu o recorde de voo mais longo do tipo e trouxe uma série de dados sobre raios cósmicos de alta energia que atingem a Terra de outros pontos da galáxia. O balão científico passou 55 dias, 1 hora e 34 minutos voando a uma altitude de 38.710 metros

Depois de mais de 55 dias sobrevoando a Antártica, o balão científico Super-Tiger bateu o recorde de voo mais longo do tipo, trazendo de volta uma série de dados, informou a Nasa (Agência Espacial Norte-Americana).

O Super-Tiger passou 55 dias, 1 hora e 34 minutos voando a uma altitude de 38.710 metros, batendo o recorde de 2009 por apenas um dia.

Ele estava reunindo dados de raios cósmicos de alta energia que atingem a Terra de outros pontos da galáxia. Este processo incluiu o uso de uma nova ferramenta para medir elementos raros mais pesados do que o ferro entre o influxo de raios.

Os cientistas estão tentando entender melhor de onde vêm estes átomos de alta energia e como eles ficam supercarregados.

“Foi um voo muito bem sucedido por causa da longa duração, que nos permitiu detectar grandes números de raios cósmicos”, disse o autor principal do estudo, Bob Binns.

A Nasa informou que levará dois anos para analisar completamente os dados.

O longo voo do balão foi auxiliado por padrões de vento do polo Sul, que circulam em sentido anti-horário, do leste para oeste, na estratosfera. Isto, além da esparsa população do continente gelado, do extremo Sul, tornou possíveis estes voos de altitude elevada e longa duração, acrescentou a Nasa.

“Os balões científicos dão aos cientistas a habilidade de reunir dados críticos científicos para uma longa duração a um custo relativo muito baixo”, disse Vernon James, Cientista do Programa de Balões da Nasa.

Gostou??? Compartilhe!!!

Click aqui e saiba mais sobre os voos de balão…

Share Button

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*